Colaboradores

A palavra “colaborador” designa aquele que trabalha (labora) com outrem (co + labora). Contudo, Hannah Arendt fez uma distinção operativa, que pode ser útil aqui, entre os conceitos de trabalho e labor. O primeiro diz respeito a todas as actividades que visam a criação de algo que permanece, por exemplo, um edifício ou uma obra literária. O segundo define a actividade humana que responde a impulsos essenciais, como comer, dormir e amar. Dito de outro modo: sem labor não há trabalho. A co-laboração no À pala de Walsh responde a uma necessidade efectiva partilhada por todos: a necessidade de “alimentar o olho”. Todos nós, cinéfilos incuráveis, teremos aquilo que Jacques Aumont definiu como “digestão ocular”. À pala de Walsh, os nossos co-laboradores encontram o digestivo que procuravam, porque o olho não aguenta o mundo e a escrita, quando flui, tem o poder de exorcizar o excesso.

A nossa equipa:

Carlos Alberto Carrilho [there’s something out there] Luiz Soares Júnior [Cinética]
Carlota Gonçalves  Mariana Castro [Nuit intérieure]
Catarina David [Canal VIMEO] Miguel Patrício [Último filme no Universo]
David Pinho Barros [site profissional] Paulo Cunha
Francesco Giarrusso Raquel Morais
Francisco Noronha [Bósforo] Sabrina D. Marques [Czaradox]
Helena Ferreira [O Véu Pintado] Tiago Baptista
Inês N. Lourenço [les mots du coeur]
José Bértolo

Antigos colaboradores:

Francisco Valente [A Noite Pelo Dia]
João Palhares [Cine Resort]
Mafalda Melo [the light on your door]
Miguel Domingues [Café e Cigarros]
Pedro Jordão
Ricardo Gross [Isto não é um Twitter]
Tiago Ribeiro [O Sabor da Cerveja]
Vasco Baptista Marques